domingo, 15 de novembro de 2009

Meu passado, meu futuro.


Tem alguém lá fora, eu sei. Sempre tem, está à espreita, me esperando sair... Ele me quer e eu também o quero, mas e essa dúvida que não me abandona nunca, esse impasse sem fim entre o sonho e a realidade.
Por uns instantes meus pés vacilam, dou um passo a frente, sigo,toco a maçaneta. E num piscar de olhos vejo que todo desejo vem numa explosão lancinante. Tudo é presumido. Olhares e lembranças povoam o vagar lento de minhas ideias. Não não é o desejo que me atordoa, é a dúvida.

Tem alguém em algum lugar que não está a espreita mas tem o mesmo desejo, a mesma duvida mas seus olhos não me vêem, apenas sabem que me tem, de certa forma.
Talvez eu não saiba que ele está lá, só desejo tão fortemente que esteja que chego a acreditar nisso!
Passo a acreditar nele, passo a duvidar de mim. Para preservar minha sanidade busco rastros de realidade. Encontro. Foi real. Vestígios de uma história, cartas amareladas. Mas não quero viver de passado. Já nem quero ser sã. Quero simplesmente tornar tudo isso um presente, dar continuidade.. Fazer com que se transforme em uma vida inteira!
E há uma força, uma intromissão que quer roubar de mim o que construí. Qual o problema que o passado tome para si todo o presente?
É meu! Tanto quanto os sonhos, os desejos, os olhos à espreita, os que não espreitam, mas lá estão.
Sonho ou realidade por uns instantes ou pra vida toda. Não importa, ainda assim, são meus e tão somente.

O outro lado da porta me espera.

Mas para atravessá-la preciso primeiro transpor os umbrais da dúvida e do medo. Entrar nos vãos do desejo. Pular da sacada em um gesto alucinado de entrega.

Quando estar meu próprio olhar no espelho, teus olhos a me seguirem só me darão prazer. Então, só então, te atravessarei.

Talvez não esteja pronta para viver.


Tina, sueli aduan, CajadOmatic, dana paulinelli e Katia Mota.

4 comentários:

  1. Estes pensamentos sempre me colocam a uma distância que me resguarda do ser em carne e osso.Confortável conversa com meus lacinhos que ficam ali só de enfeite.Passei anos e anos tecendo este tapete de encantos...
    amor e desejo na trama enovelada de fios que se mesclam saídos do coração,do umbigo e da cabeça.É melhor assim ,viver de encantos sem risco de ser arremessada por uma rajada estúpida ao abrir a porta da frente.Matizes de descrença me fazem ficar enroladinha ,macia feito lã deixada no cesto de vime durante o verão.Estou profundamente louca nem sei quem sou me misturo com as coisas e me faço delas.Meu destino de coisa.
    Êle mestre da ilusão transformou-me em coisa .Folha de papel amarelada,que voa além da sacada e se perde na rua estreita
    onde passeávamos de mãos dadas e êle colhia flores do jardim da casa azul para me ver sorrir.
    Não fosse aquele cachorro amarelo ,
    testemunha,diria que minha mente
    me trai oferecendo do passado um romance que não vivi.

    ResponderExcluir
  2. Belos: Texto/Imagens. Delicado/Intrigante e muito mais...

    Cris, seu comentário é fantástico!!

    vamuqvamu!!

    ResponderExcluir
  3. Gostei, Tina!
    Impossível que alguém não se identifique com este tema. Afinal, quem não tem olhos do passado que se atualizam no presente e dirigem seu futuro?
    Abraço a todos,
    dp

    ResponderExcluir