segunda-feira, 9 de novembro de 2009

CONTA A LENDA...


Conta a lenda que dormia. Uma Princesa encantada A quem só despertariaUm Infante, que viria. De além do muro da estrada. Ele tinha que, tentado, Vencer o mal e o bem... ....Ele dela é ignorado, Ela para ele é ninguém....
...E, se bem que seja obscuro. Tudo pela estrada fora, E falso, ele vem seguro.E vencendo estrada e muro,Chega onde em sono ela mora, E, inda tonto do que houvera, À cabeça, em maresia, Ergue a mão, e encontra hera, E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.
Fernando Pessoa

Conta a lenda...

Que do colo branco e nu de Teresa nasciam flores multicoloridas. Alguns se perguntavam se seria magia, outro se seria reação espontânea de uma paixão escondida. A despeito da curiosidade, crescia o mistério. Inútil negar, ainda que de olhos bem fechados o aroma das flores. Dessa lenda, alguns se perguntavam também se isso não poderia ser uma espécie de maldição velada. Porque, por mais que seja inegável o perfume das flores, nada se compara ao colo nu de uma mulher.

Reza também a lenda que Tereza seria a própria flor, que o perfume exalava era dela. De olhos bem fechados escondia de si própria à paixão que dela fazia brotar as flores.

Deixou as flores na mesa. Onde estaria aquele vaso? Vasculhou portas, gavetas e armários como alguém que busca o mapa de secreto de um tesouro perdido, mas decididamente não haveria vasos para tantas flores. Não haveria colo para tantas flores. Não haveria Tereza para tantos amores.

E, de olhos bem fechados, com um quase sorriso, Tereza sonhava,com o dia em que o dono e merecedor de tantas flores chegasse.Ela não era a Teresa de tantos amores, era a Teresa do maior e mais belo amor!

Disparate, conclui apertando o caule do vegetal com tanta força, que estranha a si mesma. Era uma lágrima aquilo que descia na maçã do rosto? Riu. Desdenhou o barulho do grupo de crianças que corria com mochilas nas costa do lado de fora. Não, ela nunca foi uma criança, essas lembranças são tão distantes que parecem uma mentira rara. Mentira confortável como aquelas que inventava a noite, antes de dormir. As viagens que nunca fez e namoros acalorados que nunca teve. É hora de ir, ela sabe: mesmo que a vontade fosse evitar todas aquelas conveniências automáticas que dia lhe guardava a como um plano cartesiano.

Era hora de ser o que sempre foi sonho e pensamento, no entanto, em sua alma o ponto localizado, o chamamento da natureza impondo-lhe sua força, que sentida em todos os poros de seu corpo levava-a, mesmo com um leve sorrir, derramar uma lágrima.
Era preciso romper seus limites. De olhos bem fechados, exalando todo o perfume que lhe pertencia era inevitável viver seu maior desejo. O de ser flor.

Desejo que se apoderou de Teresa e tomou-lhe as pernas e fez delas raízes, e tomou-lhe os braços que se enrijeceram e se tornaram galhos. E de cada pêlo do corpo, uma folha nascia. E de cada saudade vivida, do colo branco e nu, uma flor destinada a murchar. E de cada ponto de seu corpo que já recebera um toque de amor, a pele se multiplicava e cobria um fruto. E seus cabelos se transformaram em ninhos de pássaros. Mas a face de Teresa não se transformara.

Desde então, Teresa é corpo de árvore e face de mulher. Para todo o sempre.

Fim!

Daniela Paulinelli, Leonardo Delarete Pimenta, Katia Mota, Anônimo, Tina, Sueli Aduan.


7 comentários:

  1. Adorei esta experiência de escrita coletiva. Em tempos de individualismo exacerbado, o blog de vcs traz uma proposta de pertença na coletividade, de singularidade na pluralidade. O txt final é, ao mesmo tempo, de cada um e de todos, pois respeita o estilo e a letra de cada autor, mas deixa tb transparecer um editor que fala por todos.
    Parabéns pelo blog, é inspirador, criativo e lúdico.
    Abraço a todos.

    ResponderExcluir
  2. Daniela sinto muito dizer que se vc deu um pitaco o blog é seu tb kkk Ficou lindo mesmo...
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Ameei o resultado, paraabéns a nós todos :D

    ResponderExcluir
  4. Ich gratuliere euch alle für das wunderschöne Arbeit hier noch ein mal geleistet. Traduzindo, aê galera, parabens... de novo! :o)

    Katia, vc foi promovida a almiranta junto com a Tina. As divisas vcs cobram da Sueli :oD

    Daniela, bem-vinda a bordo!

    ResponderExcluir
  5. Sueli, mais uma vez, obrigada pelo convite! Senti-me honrada!
    Sérgio, obrigada pelas boas-vindas! Já embarquei. Vista bonita, nenhum enjôo. Valido meu ticket em breve.
    Kátia, era um aviso? O "pitaco" tem mesmo poder aqui, não?
    Enfim, agradeço a todos que estão a bordo, inclusive à Teresa das flores e mil amores.
    Abraço a todos!

    ResponderExcluir
  6. Ô Cajado,
    mas que ótimo,seremos três à administrar o "barraco".(Bom, não contei vc, e precisa?, Almirante-mor.(rsrs)
    Hum!isso aqui tá cada vez melhor!
    obrigada Sérgio,!
    abs

    Tina,tb amei!!Daniela fiquei feliz por aceitar, Kátia valeu!!!

    Parbéns a todos nós.
    vamuqvamu!!!

    ResponderExcluir