terça-feira, 13 de outubro de 2009

Renitencia estrutural


Nas noites de frio é melhor nem nascer
Nas de calor, se escolhe: é matar ou morrer
E assim nos tornamos brasileiros
Te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro
Transformam o país inteiro num puteiro
Pois assim se ganha mais dinheiro
Cazuza/Arnaldo Brandão
.
Passando na frente de uma loja ouvi o radio que tocava uma musica antiga. O refrão dizia, a tua piscina ta cheia de ratos... e foi sumindo na distancia. Andei um pouco mais e engatei a mesma metrica na mesma melodia, a tua caveira ta cheia de ossos... Atravessei a rua e a coisa martelava, a tua banheira esta cheia de patos...a tua cadeira esta cheia de pregos... e foi piorando. A tua bexiga esta cheia de choppis... E não parou por aí.
.
A tua mesa está cheia de restos...a tua vida está cheia de cacos...e martelando numa mesma batida frenética continuava: suas ideáis não correpondem aos fatos... Parei. Como as idéias não correspondem aos fatos? São fatos!!
.
Dei meia volta e comecei a voltar pelo mesmo caminho, tentando tornar a musica audível novamente. E o tempo não pára. Não pára, não, não pára. Quando se vê já são seis horas, quando se vê,já é sexta-feira, quando se vê, já é natal, quando... agora é tarde... tarde pra se viver o que ja passou o que ja perdi pois o tempo o tempo nao para e quantas palavras audiveis deixei de cantar de rimar...
.
O refrão vindo da loja. O que criei a partir daí...os fatos quando fatos, o tempo que não pára, o que passou, o que perdi, as palavras que deixei de rimar estavam impregnados na minha mente e eu matutando seguia calmamente, quando derrepente a ficha caiu e foi então que percebi, que não era eu a quem a musica havia impregnado, estava entrando na ideia de outrem sem que me desse conta disso. Minhas ideias não estavam correspondendo aos fatos.

Quando enfim
cheguei de volta a frente da loja, o tempo parou.
.
Houve um silencio. Ninguem pensando? Timidamente o som veio vindo de novo, baixinho, mal se ouvia. Agucei meus sentidos... mais um pouco... até que pude ouvir uma frase completa:
.
- Eu quero a sorte de um amor tranquilo, com sabor de fruta mordida.
.
Olhei em volta, quem seria? E ali pra meu completo espanto uma outra realidade, um mundo paralelo. Nem tanto, pensei, nem tanto. Pensamos. E era apenas o pensamento coletivo em forma de musica. Ao longe, a minha volta, todos. E uma fruta mordida.
.
Imaginei que sabor teria a fruta mordida. Quem teria mordido e se por algum acaso, destes que ocorrem sem o menor sentido, o tempo teria de fato parado dentro de minha cabeça. Foi quando descobri que não existem acasos e que a mecanica de nossas vidas são mais regidas por nossos atos do que pela posição dos astros no espaço sideral.
.
E estava assim filosofando quando ouvi la longe alguem cantando o jingle das lojas Marabrás...
.
Sueli, Katia, Maferar & Sergio

9 comentários:

  1. Ficou muitooooo legal essa combinação:
    humor/poesia/reflexão.

    parabéns a todos nós!!!
    valeu editor!

    exclui lá, o meu útlimo post,seu final é mais divertido...

    ResponderExcluir
  2. Ih, Su, nem tinha visto, desculpe foi meio concomitante. Segui teu conselho e melhorei as infos... ou sera que piorou? anyway, tomo arigato gosaimas, tambem gostei, curto e divertido. E essa galera toda ai? ninguem se manifesta? Talvez leitores... mas em todo leitor existe um autor... ou não?

    ResponderExcluir
  3. hum , olhei la, e teu comment esta incluido, acho que eu que espichei o teu final :o)

    ResponderExcluir
  4. Ô Sérgio fica tranquilo...quanto ao meu post, o que importa é o conjunto da obra (rsrs)

    Tudo bem quanto as informações,imagine,piorou!!!!
    É seria bem legal mesmo essa galera aí particpar.
    Mas "chamada" é o que não falta,"coloco" lá quando a história termina..
    Quem sabe: + leitores e autores, seria ótimo, não?
    bjs

    ResponderExcluir
  5. ops... "mas chamada é o ..coloco lá no "Tuitter" quando a históri...

    é a hora!!! estou trêbada.

    abs

    ResponderExcluir
  6. ^^...
    fico em aberto...!!!
    ia se legal se tivesse concluido... XD!!!

    ResponderExcluir
  7. as estruturas devem ser livres de velhos conceitos como começo meio e fim etc. Todavia sempre peco na preferencia, prefiro final feliz ou então, sei la, sem final, so um fragmento, tipo uma foto literaria de um momento na existencia de alguem ou alguma coisa...

    ResponderExcluir
  8. ha... entendi...^^
    eu gosto quando finaliza mais deixa espaço para uma possivel continuaçao...!!!
    e nao curto muito final feliz...!!! hehe
    mais tb gosto de fragmentos fotograficos...!!! XD

    ResponderExcluir