terça-feira, 9 de março de 2010

cavaleiros da Linguagem

Rumavam, como todos rumam, a uma direção imprecisa onde os sinonomos e os antonimos viviam em desacordos harmoniosos, esperavam em desconforto nos aeroportos e gozavam férias forçadas quando as praias estavão lotadas. Mas preservavam a lingua a qualquer custo, minha lingua é minha patria, sem anglicismos ou galicismos latinizando inclusive de tempos em tempos expressõess a serem gravadas no tempo.

Non ducor, duco, Não sou conduzido, conduzo. Por florestas de sinonimos e montanhas de adjetivos atravessavam os hiatos esquivando-se de cacófonos e gírias. Perguntavam-se se o idioma portugues havia nascido na cidade do Porto ou num porto efêmero de alguma distante colonia pós barba. Mesmo os predicativos do sujeito não encontravam objetos que fossem diretos o suficiente para verbalizar a onomatopeia de espanto ante a interrogação de genero, numero e grau. E, seguem de espanto em espanto nessa floresta de significados e significantes. Constante busca do sujeito na construção do corpo e do espaço. Uma teia feita de sons e palavras, coisas e objetos, de dores e amores.

Desejo do verbo de substantizar os adjetivos no ritmo das silabas sibilantes. Mesocleses e prosopopeias em estado de alerta, predicativos deste sujeito mal-barbado a espreita num dos cantos de uma sentença com a oração batendo rapida. Tudo num so suspiro de interjeição. Mas a virgula não é um ponto final e, não sendo o final me reconheço como sujeito da oração, um sujeito pleno na razão da sua ação, não oculto ou indeterminado e que, portanto, não é conduzido, mas conduz.

E de tudo que há terei na face da lua meus olhos cravados, ponto distante e brilho para meu espanto: ah! As palavras, a forma e o final feliz.

10 comentários:

  1. Trilha sonora sugerida... ^^
    http://www.youtube.com/watch?v=xRqI5R6L7ow
    XD

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito desse post,Sergio. Uma brincadeira ,tão séria, que possibilitou demonstrar o "quanto" e "como", fazemos uso da gramática na construção da nossa escrita, ainda que ,às vezes, isso passe desapercebido.
    abs

    ResponderExcluir
  3. tambem gostei Sueli. Notei todavia que ficou um pouco carregado de erudição gramatical o que espantou outros fregueses... historias de amor vendem mais :o) Mesmo assim prefiro estes temas mais insolitos.

    ResponderExcluir
  4. ^^... nem ficou tao carregado assim... XD!!!
    espantou?? o.O...
    com apenas quatro postagens acho mais provavel que nem chegaram a ver e já tinha acabado rsrsrsrs...
    historias de amor sao um saco... ><v
    até hoje nao sei pq o povo gosta tanto dessas coisas sem graça...
    quanto mais insolito mais divertido... =)

    ResponderExcluir
  5. Concordo Sérgio,mas não tinha como ser diferente, e nem pensei em dar outro rumo mesmo. E isso é muito bom, a meu ver, estimula no outro um novo olhar.

    ResponderExcluir
  6. Youkai, historias de amor: não é preciso cerebro para entende-las, apenas um coração grande e mole :o)

    Sueli, vc gosta de desafios literarios faz vasto e largo uso de seu intelecto privilegiado! Ta certo, né? Melhor usar assim que para escrever roteiro de Chuck o bebe assassino, hahahaha,
    bjs procês

    ResponderExcluir
  7. Bem melhor! Adorei:"roteiro de..rs) valeu,Sérgio.

    vamuqvamu
    bjus

    ResponderExcluir
  8. Historias de amor...
    Bem acho que estamos em muitos e cada qual com o seu gosto. Invariavelmente um estilo vai agradar mais a uns e outro a outros. Normal...
    Et Viva la diversité!

    ResponderExcluir
  9. é melhor remodelar meu comentario... ^^
    a maioria das historias de amor sao um saco... mais as que sao bem feitas e nem parecem historias de amor, pois nao ficam presas a tolices humanas superficiais e sentimentais sao muito muito boas... XD... e as historias de amor estao em todos os lugares, meio que fazem parte de todas as historias ... mesmo as boas e velhas guerras estao cheias de companheirismo que a meu ver tambem é amor...
    mais sempre o mundo insiste em historias de amor rotineiras e cotidianas que ao meu ver sao meio sem graça... o mundo é cheio de coisas toscas que nem crepusculo por exemplo... fenomeno de leitores e é um livrinho bem ruim viu... enfim o amor pegou uma mania de ser usado de um jeito que acho muito chato... desgasto...
    rsrsrs...

    mais o coraçao ao meu ver nao passa de uma bomba de sangue... rsrsrs... serio o Dr house entende o amor com o cerebro... entao é possivel entende-lo com o cerebro sim... ^^
    e nao é chuck o boneco assassino em vez de bebe assassino o.O??
    bom de boa... nao curto chuck mais é um ideia divertida até botar um brinquedo para matar pessoas... XD
    ta que é mau feito acho... mais diferente é melhor que normal... ><v

    ResponderExcluir