quinta-feira, 9 de abril de 2009



Neste momento olho à janela, (pela janela) mas ela esta fechada, (linda lua, hoje), é outro universo temporal. Como? então não me encontro aqui a digitar este texto, na realidade não escolhi essa cadeira, não conheço este local, não estou nessa sala. A bem da verdade, eu nasci? mesmo porque meus pais nunca chegaram a se conhecer. E sinto me obrigada a dizer: não posso errar, ergo os olhos da tela, estou ainda aqui, nesta sala, cela, ato falho, cheia de silencio e perfume .
Tenta me convencer

12 comentários:

  1. Na verdade chego a ter saudades da lua. Não sou daqui. Lunaticamente fico ali a espreitar aquele olho branco me olhando la de longe da imensidão do cosmos. Angustia de não poder voltar. Sentir o cheiro do vacuo ouvir o silencio da mecanica das esferas. So tenho mesmo é um desejo

    ResponderExcluir
  2. o desejo, talvez seja isso, é que feito ao poeta: tenho muitos, trago dentro do meu coração, como num cofre que se não pode fechar de cheio, todos os lugares onde estive, todos os portos a que cheguei, todas as paisagens que vi através de janelas... e tudo isso , que é tanto,
    é pouco para o que eu quero.
    tenho muitos quereres

    ResponderExcluir
  3. Pois quero a Lua, miuda ou esparramada no céu, nova ou cheia de luz. Quero poder olha-la de dia, diafana e transparente no azul atras das nuvens. Um querer impossivel.

    ResponderExcluir
  4. impossível esse seu querer? como assim? não pode retornar e deliciar-se lunaticamente,matar a saudade,lembre-se: você não é daqui.
    olho novamente à janela (pela janela, (a lua ,esta linda,hoje, naõ isso foi ontem) hoje(vejo um homem carrega uma lua, um sonho,entre mãos. )

    ResponderExcluir
  5. Condeno-me, não adianta, olho novamente para minhas mãos, la esta ela. Prateada... levoa-a ao olhos e ela enche meu cranio com sua energia telurica, promovendo marés em meu pensamento.

    ResponderExcluir
  6. mas então, qual o problema?
    Já nos foi dito:
    “navegar é preciso, viver não”.
    e há melhor que navegar no pensamento, sente o frio da lua, já esta nela, apalpe-a é toda sua, feche os olhos escute o silêncio do som, porque quando veio a ser quem é, viu que não é nada, quer voltar a ser quem foi, mas é preciso navegar, navegar, navegar

    ResponderExcluir
  7. bom, isso é exatamente o que eu queria evitar, quebrar um texto pra se discutir sobre ele antes de estar acabado, mas, allas, vamos la. Exatamente por que navegar é preciso que eu queria navegar com precisão. Viver é impreciso pois ai estão todas as possibilidades de se criar novos rumos, uma direção não definida pra ver onde se chega. Obrigado pela lua, ja puz aqui no bolso do meu colete.

    ResponderExcluir
  8. Só a lua é o que queres?
    Tão pequeno desejo na vastidão de um ser. Um ser cosmo. Tome posse da lua, mas saiba que não é só sua, tão desejada ela é que te aconselho a fugir daqui para não ter de dividí-la.

    ResponderExcluir
  9. Bom, ja ganhei minha lua e é tudo o que queria, sinto todavia que isso não era o que alguem no inicio havia dito, pensava que eu tambem era essa pessoa porisso vesti sua roupa mas parece que o eu tem vozes internas que conversam abertamente ou são membros da liga em prol da insanidade do personagem. Pra te falar a verdade, eu nem queria a lua, queria saturno com aqueles aneis de asteroides rodando loucamente em seu redor. Não gosto de posse, mas gosto de determinar lugares que seja meus no sentido de incorporação pessoal de uma escolha geografica. Ficarei em Pandora ou Prometeu, luas de saturno olhando o anel girar a seu redor.

    ResponderExcluir
  10. navegar no pensamento,...não precisa ser preciso, melhor o delírio das idéias,deixar a precisão na arumação do dia,no café da manhã,no vai-e-vem dos infindáveis e, até desagradáveis encontros,
    é preciso ser, sim preciso, para, as vezes, quebrar antes de terminar: um vaso, um quadro,um texto,uma vida. Pegar a roupa que está sendo dada, vesti-lá,mas saber que junto com ela vem a nova pele,a pele do outro e suas vozes, os diversos e insanos mundos do eu, personagens de todos nós, so assim dá pra dançar no clarão da lua,olhar o anel girar travestido de outro sendo o mesmo.

    ResponderExcluir